Thursday, April 12, 2007

Panda Bear @ B.Leza - 11/04/2007

Dirigi-me ao B.Leza sem saber muito bem o que ia encontrar. Primeiro, não conhecia a discoteca. Segundo, pouco conhecia da carreira a solo de Panda Bear (membro dos psycho hippies, Animal Collective), para além daquilo que tenho lido em inúmeros artigos na imprensa especializada, que parece obcecada com este novo fenómeno (o facto do mesmo ter trocado Nova Iorque por Lisboa, como cidade de residência, há cerca de 3 anos, poderá contribuir significativamente para a euforia instalada).
A primeira impressão com que fiquei foi que a organização do concerto tinha sido desastrosa. A meu ver, esperar hora e meia para entrar num recinto daquela dimensão não cabe na cabeça de ninguém. E a cerveja acabar também não.
No que diz respeito ao concerto em si, gostei dele a espaços. Panda Bear entrou em palco de forma discreta e actuou durante cerca de uma hora (penso eu). A acústica da sala não ajudou a sua actuação, já que, na primeira parte do concerto, os elementos melódicos da sua música "perdiam-se", restando, por vezes, distorções e sucessões de sons aleatórios que não faziam mais do que furar-nos os tímpanos (not in a good way). Não havia sequer intervalos entre as musicas, pelo que, quando o público se ouviu pela primeira vez, o concerto já ia a meio. A segunda parte do concerto foi, na minha opinião, bastante mais agradável (leia-se: melódico). Sempre alucinado (lembrando, por vezes, as actuações dos The Doors no Whisky a Go-Go's em L.A.*), mas, geralmente, bastante mais agradável. É pena o Panda Bear não ter comunicado mais com o público. Mas pronto, o rapaz é (aparentemente) tímido e sobre isso não há muito a fazer. O concerto acabou, passava da meia-noite e meia, e fui para casa, sem que o concerto tivesse acrescentado grande coisa à minha felicidade. Fica a experiência e a curiosidade de ouvir as studio versions das canções (?) de Panda Bear, que parecem ter potencial, mas não naquela sala.

*Sim, eu sei. Quando estes concertos aconteceram, ainda faltavam uns bons aninhos até eu nascer. Mas o retrato feito por Oliver Stone, foi, certamente, realista!

1 Comments:

Blogger Spittelau said...

Para os leitores do Muzik:

Entre a descrição que o Turkish aqui colocou e a descrição que foi colocada no Disco Digital, a minha opinião está muito, muito mais inclinada para esta descrição.
O concerto foi...simpático...nada mais do que isso e a organização...claramente um fiasco. Ao menos, os preços não eram caros!

10:57 PM  

Post a Comment

<< Home