Wednesday, October 18, 2006

Estava a ler o suplemento "Y" do Público, quando me deparei com o review do álbum "Sam’s Town" dos Killers, no qual um (pseudo) crítico de música atribuiu um 1 – numa escala de 0 a 10 – ao mais recente álbum da banda de Las Vegas. Decidi perder alguns minutos da minha vida e descobrir quem foi o mentecapto que teve a arrogância de atribuir uma nota destas a um álbum de música. A qualquer álbum que seja.
Foi o mesmo palhaço que disse que "era difícil imaginar uma banda que personifique o que há de mais vazio e ostentatório na produção musical, do que os americanos Killers". Disse também que o álbum de estreia da banda, "Hot Fuss", "apesar da aclamação generalizada, era um protótipo completamente formatado de guitarras, vagamente dançável".
Este sábio que, aparentemente, percebe mais de música do que as revistas Rolling Stone e a NME, chama-se Vítor Belanciano.
Por muito que o nosso amigo Vítor não tenha gostado de “Sam’s Town”, a discussão da qualidade de um álbum tem obrigatoriamente que conter alguma dose de subjectividade. Especialmente quando a opinião de alguns especialistas é favorável – a NME atribuiu um 8/10 ao álbum.
Se esta subjectividade não existisse, ouvíamos todos a mesma merda e, caso os gostos generalizados coincidissem com os meus, nem a mãe de Ivete Sangalo gostaria da música da filha. Um 1/10 não deixa margem para qualquer tipo de subjectividade. O arrogante crítico quis make a point e caiu no ridículo.
Ainda comparou a sonoridade do álbum a Bon Jovi. Dude, Really?
Após as minhas pesquisas para "conhecer melhor" o Vítor Belanciano, descobri que o Nuno Markl partilha da mesma opinião que eu, no que respeita este tema.

5 Comments:

Blogger Mistica Verde said...

Totalmente de acordo. Esse tal Vitor Belanciano deve sofrer de algum complexo anti-killers... Tendo em conta a qualidade do Hot Fuss, até posso dizer que a minha primeira impressão sobre o Sam's Town foi de decepção. Agora que já o ouvi muitas vezes, garantidamente reconheço-lhe qualidade (apesar de limitada em comparação com o álbum de estreia).
Quando o Vitor escreve que os Killers personificam o "mais vazio e ostentatório na produção musical" significa simplesmente que percebe pouco da música deles. Está bem que gostos são subjectivos e que ele pode gostar da banda X e não gostar da banda Y, mas basear as suas análises em preconceitos não é digno de um profissional.
Enfim, tal como há criticos de cinema que são "do contra", também os há no mundo musical, e nós, os comuns mortais que gostamos realmente de música, cruzamos os braços e sorrimos.

12:37 AM  
Blogger ze_turkish said...

O Vítor Belanciano deve ter apanhado a mulher na cama com o carteiro ao som de Mr. Brightside. Daí o pó que tem à banda.
Só não percebo como é que o Público permite a publicação duma crítica dessas... É inadmissível.
A Fnac é que não deve ter gostado de ver essa crítica literalmente ao lado do anúncio da Fnac em que o Sam's Town era o álbum recomendado da semana... O Vítor Belanciano não só estar a gozar com a cara dos leitores como deve ter deixado bem "pissed off" uma boa fonte de receitas publicitárias... Risky Business, dude...

9:54 AM  
Blogger Guitar Good said...

Esse vitoriano belaciano deve, com toda a certeza, dar um 12/10 a todos os albuns de Boy George!

1:20 PM  
Blogger fonzie said...

a mim o que mais me preocupa é o turkish andar a ler o blog do markl...

10:11 PM  
Blogger Spittelau said...

Hang the Vitor, Hang the Vitor,

Hang the Vitor, Hang the Vitor,

Hang the Vitor, Hang the Vitor
Hang the Vitor,

HANG THE VITOR, HANG THE VITOR

7:33 PM  

Post a Comment

<< Home