Tuesday, August 22, 2006

Foi há mais de 14 anos que Axl Rose fez capa, pela última vez (haverá mais?), da revista Rolling Stone. Mais precisamente no dia 2 de Abril de 1992. A entrevista é interessante e ajuda-nos a perceber um pouco melhor o porquê da sua "difícil" personalidade - nomeadamente na parte da entrevista que incide sobre a sua infância. Odiado por uns, venerado por outros, Axl Rose não deixou ninguém da nossa geração indiferente. Recomendo a leitura do artugo. Aqui está o link:

http://www.heretodaygonetohell.com/articles/showarticle.php?articleid=56

3 Comments:

Anonymous macaquinho do chinês said...

Quem te viu e quem te vê...é meu caro, os anos pesam...mas tens sorte, tens fãs fiéis e firmes, não é para todos... Enjoy it!

10:35 PM  
Blogger guitarfreak said...

Realmente é com saudade que se recorda os tempos áureos deste verdadeiro frontman e da banda que liderou (e lidera!), uma das melhores - e mais polémicas - de sempre.

A entrevista centra-se, em larga medida, em traumas infantis - e actuais - que acabaram por determinar uma personalidade bastante peculiar, associada a um vedetismo (excessivo, mas compreensível de quem atinge o topo) bastante pronunciado, dificilmente assumido pelo próprio. Aliás, levando-se à letra o conteúdo da entrevista, depreende-se que encara, bastante estranhamente (ou talvez não!), a sua posição como a de alguém que foi apanhado pelo sucesso e fama algo por acaso, contrariando, a meu ver, a forte preocupação e vincado esforço sempre demonstrados em tornar a banda a maior de todos os tempos. Mais, é de alguma ingratidão, na minha modesta opinião, adoptar uma postura de forte desprezo e significativa hostilidade perante os problemas dos seus inúmeros admiradores, revelando uma grande indiferença para com às preocupações destes em relação à banda e ao seu líder. Não é por expor publicamente traumas pessoais que permite uma maior aproximação dos fãs, quando os desrespeita nas pequenas coisas (como a hora de início de um concerto, por exemplo).

De igual forma, a abordagem à saída de Izzy Stradlin, não o mais virtuoso a nível instrumental (indiscutivelmente o grande Slash!!!) mas o mais talentoso a nível criativo dos três compositores da banda (Axl, Slash e Izzy) na sua fase inicial, releva, apesar de algum reconhecimento pelo trabalho realizado por este dotado músico, arrogância e, consequentemente, desrespeito pelo importantíssimo contributo de Izzy para o grupo e pela escolha de uma estilo de vida algo refugiado do topo, mais à semelhança de um Kurt Cobain ou outros estrelas que não buscam descaradamente o estrelato.

Apesar de todos os seus excentricíssimos e extravagâncias, Axl Rose é sem dúvida um marco de referência na história do rock n' roll e é com enorme expectativa que se aguarda o lançamento do novo album de GN'R, nem que para tal seja necessário esperar mais 13 anos!

Moral da história: Todos os seus pontos negativos, não conseguem ofuscar o seu enorme talento e o quanto faz vibrar - ainda! - todos os seus admiradores.

12:10 AM  
Blogger ze_turkish said...

Os maiores ícones musicais são geralmente personagens altamente complexas e dignas de "case-study". Esta complexidade contribui de forma determinante para a mística que se cria em redor destas personagens... o facto de nunca se saber ao certo o que esperar deles... tudo isso os torna mais fascinantes.
Axl Rose, no Rock in Rio de 2002 (no Rio de Janeiro) insultou os jornalistas à chegada, não deixando ninguém fotografá-lo - supostamente sentia-se inseguro, devido ao facto de estar mais velho, gordo, etc. O concerto foi unanimemente considerado o melhor do festival levando a que Axl Rose, radiante, convidasse dezenas de jornalistas para o seu quarto de hotel onde, à medida que lhes ia fazendo caipirinhas, contava histórias da sua vida. Quem diria?

10:43 AM  

Post a Comment

<< Home